Prevenção e tratamento do diabetes

24

O diabetes não é causado pela ingestão excessiva de açúcar. O diabetes tipo 2 apresenta relação com o excesso de peso, que em parte está relacionado ao consumo de alimentos não saudáveis, especialmente aqueles ricos em açúcares. Mas não significa que o consumo excessivo de açúcar vá levar ao diabetes. Já no caso do diabetes tipo 1, não há relação com o excesso de peso nem com o consumo excessivo de açúcar.

O diabetes não é um problema genético. No tipo 1, em especial, há uma maior propensão genética para se ter a doença, mas não significa, necessariamente, que filhos de pais com diabetes também terão a doença. No diabetes tipo 2, os fatores comportamentais (como alimentação e prática de atividades físicas) e ambientais (disponibilidade de alimentos saudáveis ou não) têm maior influência que o componente genético. Vale destacar que o diabetes também não é transmissível, ou seja, não passa de uma pessoa para outra.

O problema geralmente se resolve no período pós-parto e pode, frequentemente, retornar anos depois, uma vez que é um importante fator de risco para desenvolvimento de Diabetes Tipo 2. A orientação é para que, aproximadamente seis semanas após o parto, a mãe realize um novo teste oral de tolerância à glicose, sem estar em uso de medicamentos antidiabéticos. E lembre-se: O aleitamento materno pode reduzir o risco de desenvolvimento de diabetes após o parto, assim como a alimentação balanceada e a prática regular de atividades físicas.

 

O estresse emocional aumenta o risco de desenvolver diabetes por várias razões. A primeira delas tem causa hormonal: o estresse crônico aumenta o nível do hormônio cortisol, o que ocasiona, dentre outras coisas, o aumento da gordura abdominal que, por sua vez, aumenta o risco de diabetes. A segunda razão é justamente através do comportamento da pessoa. Existe uma clara relação entre o estresse emocional e hábitos de vida ruins, como alimentação não balanceada (mais comida ou comida de qualidade ruim), sedentarismo, cigarro e alcoolismo. Os estudos indicam um caminho em comum: aquelas pessoas com altos níveis de estresse também desenvolvem hábitos comportamentais danosos que somados aumentam o risco de uma pessoa desenvolver diabetes.

O consumo é permitido, porém com alguns cuidados: de forma moderada e sempre junto a uma refeição, pois o consumo isolado pode levar a hipoglicemia (baixa nas taxas de glicose sanguínea) ou dificultar a recuperação de uma crise hipoglicêmica, já que o uso de insulina e de outros medicamentos para controlar o diabetes é feito para baixar a glicemia, e o álcool tende a diminuir ainda mais estas taxas, o que pode levar a um quadro crônico. Além disso, outro problema é que as bebidas alcoólicas são, geralmente, muito calóricas.

De maneira geral, a prática regular de atividades físicas faz parte do cuidado do diabetes. Porém, antes de iniciar qualquer atividade física é necessário procurar orientação medica, ainda que a maioria das pessoas com diabetes não apresente fragilidades para praticar atividades físicas.

Os alimentos integrais ricos em fibras auxiliam na redução da velocidade de absorção de glicose e aumentam a sensibilidade à insulina. Dessa forma, há um melhor controle da glicemia. Além disso, as fibras também estimulam o trânsito intestinal e provocam maior sensação de saciedade.

Fonte: Por Fernanda Rosa – Blog Saúde MG ( http://blog.saude.mg.gov.br)