Semana do Microempreendedor Individual é realizada em Rondônia

Rondônia – A Semana do Microempreendedor Individual teve início na segunda (8) e termina neste sábado (13). Finanças, planejamento e vendas foram alguns dos temas cujas dúvidas podem ser sanadas por milhares de empreendedores durante esses cinco dias. Em Rondônia, 14 municípios sediaram o evento, entre eles Porto Velho, Guajará-Mirim, Ariquemes, Ji-Paraná, Alvorada do Oeste e Vilhena. Na capital, o evento aconteceu em uma sala na igreja Santuário de Fátima, localizada na zona leste.

Francisco das Chagas, que é morador da região, participou durante toda a semana das palestras e oficinas e está feliz com os resultados: “Eu tenho uma oficina elétrica e estava com um processo de indeferimento do CNPJ porque não sabia como fazer, mas agora encontrei as orientações de que precisava aqui no Sebrae e vou resolver essa situação e continuar realizando meu sonho que é ser dono da minha empresa”, disse.

“Em todo o estado as dúvidas são parecidas, por isso as oficinas do Sebrae Empreendedor Individual (SEI) foram tão procuradas”, afirma Emerson da Silva, analista-técnico do Sebrae de Vilhena. “Aqui no cone sul do estado realizamos as oficinas do SEI Controlar Meu Dinheiro, SEI Planejar, SEI Empreender e SEI Clicar. O primeiro passo do empreendedor individual é chegar ao preço do produto. Muitos infelizmente misturam a empresa com as coisas pessoais e, com isso, têm dificuldades em achar o preço justo para sua mercadoria. Nas oficinas mostramos justamente como separar as duas coisas, mesmo que aconteçam com o uso da mesma estrutura”, disse.

Os empresários de Nova Dimensão, distrito de Nova Mamoré, também estão sendo atendidos pelo Sebrae com oficinas e palestras sobre como manter seus pequenos negócios. Marcelo Almeida tem uma empresa que fabrica guaraná apenas para o mercado interno. “Eu vim para aprender a definir as metas e planejar o futuro do empreendimento. Muitos empresários conhecem os pontos para ter sucesso, mas não praticam e acabam tendo resultados negativos. É sempre bom se qualificar e aprender quais são as tendências do mercado, que está cada vez mais competitivo. Mas eu acredito que cada um tem seu espaço, basta ter o diferencial”, lembrou.

Nas unidades do Sebrae em Ji-Paraná a movimentação de autônomos e profissionais que trabalhavam com carteira assinada é grande. Eles decidiram apostar no próprio negócio, e, independentemente da área de atuação, todos têm o mesmo interesse: a busca por informação. “Nossa programação está sendo bem extensa. Nós fizemos várias declarações de imposto de renda. O MEI será enquadrado no Simples Nacional e isento de alguns tributos federais. Nossas atividades exploraram, durante toda semana, etapas de planejamento, modelagem de negócio e análise de mercado. O município conta com 3,8 mil MEIs”, explicou Angélica, analista-técnica do Sebrae em Ji-Paraná.

“Esta semana foi decisiva para eu deixar de ser professor e me tornar um microempreendedor. Quero ter um cultivo hidropônico de horticultura. É o meu sonho e por isso vim participar das palestras oferecidas pelo Sebrae durante a Semana do MEI e buscar informações sobre empreendedorismo. Eu pretendo colocar tudo em prática em breve”, afirmou Renato Cassado, do município de Alvorada do Oeste.

O MEI, além de trabalhar de maneira legalizada, tem direito a benefícios previdenciários como auxílio-maternidade, auxílio-doença e aposentadoria, além de outros benefícios, como ter CNPJ – o que lhe proporciona maior facilidade para abertura de conta bancária, contratos com órgãos públicos, financiamentos e emissão de notas fiscais.

O que é um microempreendedor individual (MEI)?

O microempreendedor individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria legalmente. A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, foi a responsável por criar a possibilidade de o trabalhador informal se legalizar e passar a ter benefícios.

Atualmente, para se enquadrar na categoria, você deve ter como limite de faturamento 60 mil reais por ano, não podendo ter participação em outra empresa como sócio ou titular, e contratar no máximo um empregado, com salário limitado ao mínimo vigente ou ao piso da categoria.

O MEI está isento de tributos federais (imposto de renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). Contudo, há outro montante a quitar: ele deverá pagar somente um valor fixo mensal de R$ 47,85 (comércio ou indústria), R$ 51,85 (prestação de serviços) ou R$ 52,85 (comércio e serviços). Esses valores são correspondentes ao INSS acrescido de R$ 5,00 (município – prestadores de serviço) ou R$ 1,00 (estado – comércio e indústria). O valor de INSS corresponde a 5% do salário mínimo e, portanto, pode ser reajustado. Além disso, podem ser cobradas taxas estaduais e municipais, mas estas dependem da localidade onde a atividade for exercida.

Sabia mais sobre o MEI e sobre a atuação do Sebrae acessando sebrae.ro, entrando em contato com nossa Central de Atendimento 0800 570 0800 ou ainda pelo Whatsapp 9 8130-5656.

Fonte: Dayan Saldanha

Comentar

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*