Saúde

Campanha Pedalando Pela Vida segue com doação de sangue na Fhemeron

“O sopro e o brilho de uma vida”. A frase ecoou na manhã do último sábado (16), durante o lançamento da campanha Pedalando Pela Vida, que tem o objetivo de mobilizar a sociedade para a importância da doação de sangue como um ato de cidadania. O evento aconteceu no pátio da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) e trata-se da parceria com grupos de ciclistas de Porto Velho.

A campanha será realizada durante toda a semana, encerrando dia 23 com a realização de um passeio ciclístico, tendo como idealizadores os ciclistas Evandro Deglei, Evandro Medeiros e Markin Cantanhede que incentivam a atitude em doar e manter a esperança de muitos pacientes que precisam de sangue para continuar vivendo.

O presidente da Fhemeron, João Ricardo, ressaltou a importância de mais uma campanha realizada, bem como a iniciativa dos ciclistas que estão engajados no propósito de salvar vidas. “O estoque depende das doações de sangue feitas para que possamos atender à demanda. A ação desenvolvida pelos grupos de ciclistas é muito importante, pois doar sangue é uma atitude necessária de cidadania e amor ao próximo”, comentou o presidente.

Durante o lançamento da campanha, os presentes se emocionaram com um vídeo de campanhas solidárias gravado em outros Estados com o mesmo propósito, ou seja, o sangue doado é usado para assegurar um direito primordial, o direito a vida.

A professora Paula Nogueira emocionou com o testemunho de perseverança e fé falando do filho, o pequeno Pedro Lucas, hoje com 6 anos,  que venceu a luta contra a leucemia. “Muitas crianças irão usar o sangue que hoje vocês estão doando. Os heróis de verdade são vocês que doam sangue ou medula óssea e verdadeiramente devolvem o brilho de uma vida”, disse emocionada.

Para a assistente social Maria Luíza, a campanha não é apenas da Fhemeron e sim de todos. “O saldo é a gratificação em ajudar o próximo sem nada pedir em troca. “É a certeza de saber que centenas de vidas foram salvas com as doações. Não podemos deixar o elo dessa corrente quebrar”, destacou.

Ciclistas se uniram com o objetivo de salvar vidas

Fonte: Secom – Governo de Rondônia

Vacinação contra a pólio começa em 6 de agosto

Em meio ao aumento de casos de poliomielite identificados na Venezuela, o Ministério da Saúde informou que a campanha de vacinação contra a doença no Brasil deve ocorrer de 6 a 24 de agosto.

Por meio de nota, o ministério informou que, atualmente, a cobertura vacinal no Brasil contra a poliomielite é de 77%. Diante de casos identificados na Venezuela, a pasta enviou nota de alerta para estados e municípios sobre a importância de alcançar e manter cobertura maior ou igual a 95%, além da necessidade de notificação e investigação imediata de todo caso de paralisia flácida aguda que apresente início súbito em indivíduos menores de 15 anos.

“O Ministério da Saúde ressalta que a vacinação é de extrema importância para manter o país livre da circulação de poliovírus, tanto nas ações de rotina como na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite”, destacou o comunicado.

O governo brasileiro reforçou que as vacinas que integram o Calendário Nacional de Vacinação são seguras e eficazes. O esquema vacinal da poliomielite é composto por três doses da vacina inativada (injetável), administradas aos dois, quatro e seis meses. Aos 15 meses e aos 4 anos, a criança recebe a vacina oral.

O último caso de infecção pelo poliovírus selvagem no Brasil ocorreu em 1989. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que três países ainda são considerados endêmicos para a doença – Paquistão, Nigéria e Afeganistão.

Casos na Venezuela

Esta semana, a Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou nota pública alertando para a necessidade de atenção redobrada diante da detecção de pelo menos um caso confirmado no país vizinho e de diversos casos em investigação. A preocupação se deve ao aumento do fluxo de imigrantes pelas fronteiras brasileiras, em especial nos estados do Norte.

A entidade defende ainda a manutenção de elevadas e homogêneas coberturas vacinais contra a poliomielite no Brasil – acima de 95% – até que a erradicação global seja alcançada.

Doença

A poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida de início súbito.

A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, pela via fecal-oral (mais frequente); por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores; ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções (ao falar, tossir ou espirrar).

Não existe tratamento específico – todas as vítimas de contágio devem ser hospitalizadas.

A vacinação é a única forma de prevenção da poliomielite. Todas as crianças menores de 5 anos de idade devem ser imunizadas conforme esquema de rotina e em campanha nacional.

Campanha de vacinação contra a poliomielite será realizada de 6 a 24 de agosto – Tomaz Silva/Arquivo Agência Brasil

Edição: Lílian Beraldo
Por Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil – Fonte: Agenciabrasil.ebc.com.br